Um Direcionamento das Grandes Áreas Médicas - Medicina Generalista

Fala, galera! Para você que não pôde acompanhar nossa conversa, no evento Coordenadas, com os doutores Guilherme Dahia e Leonardo Peixoto, confira a seguir os principais pontos do diálogo.


PREOCUPAÇÕES

Certamente, não são poucas as preocupações do recém-formado. De fato, elas podem começar antes mesmo da formatura!

Mas vamos por partes... Nesse primeiro momento falaremos dos problemas mais gerais, deixando assuntos relacionados à Residência e Trabalho para momentos específicos do texto.

Vamos começar com a burocracia. Para te auxiliar nas demandas relacionadas à festa de formatura, é importante que você partilhe algumas responsabilidades com familiares ou amigos. Você também pode contar com esse apoio para lidar com as etapas da documentação do Diploma e Registro Médico!


MINDSET

Conciliar estudos e plantões, lidar com o choque financeiro, formatura, documentação... Ufa! Com tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, é praticamente impossível lidar com todas as atribuições da mesma maneira.

Assim, a palavra-chave nesse momento é priorização! Isso significa que você deve investir em atividades cujo benefício seja mais interessante para você – de acordo com seus objetivos, personalidade e responsabilidades.

Mais que isso: ao decidir quais tarefas priorizar, não caia na armadilha de pensar somente em curto e médio prazo. Em outras palavras, não deixe de fazer algo porque os maiores benefícios serão somente a longo prazo – como, por exemplo, seguir Residência Médica ou pós-graduação.


RESIDÊNCIA MÉDICA

Inicialmente, vamos pontuar que, independentemente dos recursos para preparação, você nunca deve deixar o internato em segundo plano. E existe um motivo central para isso: nenhum material é capaz de substituir a discussão com colegas, residentes ou preceptores, no seu aprendizado teórico, ou (principalmente) o impacto que a vivência dos procedimentos e raciocínio terá na sua aprendizagem prática e na segurança que você terá para exercer a clínica logo após sair da faculdade.

Tenha em mente, também, que esse é um momento naturalmente estressante. Dessa forma, faça com que as exigências correspondam a seus próprios hábitos e personalidade e não se deixe levar por tendências fantasiosas (um exemplo comum disso é acreditar que deve fazer tudo com “alta performance”).

Ah! Não se esqueça de priorizar também aspectos que não estão diretamente relacionados com os estudos, mas que fazem toda a diferença na sua motivação e saúde mental (como a prática de exercícios físicos, relações amorosas e familiares). Mesmo assim, tenha a humildade de perceber que o tempo para essas atividades estará reduzido em virtude do maior tempo dedicado aos estudos/faculdade.


OPORTUNIDADES

Grosso modo, networking diz respeito às relações interpessoais cultivadas e mantidas.

Nesse sentido, você deve notar que a graduação é um dos melhores momentos para estabelecer tal networking. Por isso, não deixe de se expor a ambientes mais sociais, sejam eles mais formais – como ligas, monitorias, grupos de pesquisa etc. – ou não. Pois, futuramente, isso poderá se refletir em maiores oportunidades.

A residência também oferece essa oportunidade. Lá, você poderá contar com o apoio dos colegas e chefes para indicações e possibilidades de trabalho. Assim, é desnecessário reiterar o quanto você deve cuidar da sua imagem pessoal e profissional.

Para tanto, formações complementares como os cursos de capacitação (p. ex., ATLS, ACLS, PALS etc.) tendem a ser vistos com bons olhos, uma vez que demonstram uma maior preparação para os mais variados cenários.


PRIMEIRO PLANTÃO

Estratégias como a “rede de apoio” e a priorização auxiliarão na decisão do primeiro plantão. Entretanto, outras variáveis devem ser observadas.

A questão financeira certamente é uma das mais importantes. Afinal, um bom planejamento financeiro alinhado ao conhecimento prévio do local e ambiente em que você pretende fazer plantão são essenciais para evitar grandes choques financeiros; ademais, tenha em mente que é bastante comum não receber “em dia”.

A maioria das fontes de renda realiza contratos por meio de pessoas jurídicas. Ou seja, na prática, o médico é contratado como uma empresa e deve arcar com tarefas contábeis para se organizar. Por isso, é muito comum que alguns contratem um contador para exercer essas atividades ou aprendam por si só a lidar com elas; ao fazer essa escolha, leve em consideração a quantidade de plantões você pretende fazer e o quanto de dinheiro será destinado ao contador (aqui, o balanço produção-despesa deve ser satisfatório de acordo com sua preferência e necessidades).

Após firmar um contrato, nunca esqueça de ter acesso fácil à informação: aplicativos, grupos de WhatsApp, anotações e calculadoras médicas são ferramentas mais que úteis. Por isso, tenha sempre acesso à internet e leve sempre seu carregador. Além disso, você poderá buscar por livros próprios para plantonistas; existem vários no mercado.


Aqui foi um breve resumo! O que está esperando para assistir esse encontro? Basta clicar no link abaixo.

https://www.youtube.com/watch?v=MglpFDT95hI